Nota de Repúdio
por Ascom/ACDA em 23/7/2019
A Diretoria da Associação dos Cronistas Desportivos de Alagoas (ACDA) – gestão 2019/2022, vem a público repudiar, com veemência, “o incidente provocado pelo senhor Rodrigo de Souza Lú, supervisor da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o delegado local da partida, senhor Gaspar Lins Feijó”, durante o jogo realizado, último sábado, dia 20 de julho de 2019, às 19h, entre CSA e Atlético Paranaense, no Estádio Rei Pelé, em Maceió, válido pela 11a rodada do Campeonato Brasileiro da Série A (Brasileirão). Tal imprevisto prejudicou o trabalho dos profissionais do rádio. 

É inadmissível a cobrança para que os profissionais da imprensa esportiva trabalhem desprovidos de seus guarda-chuvas, uma vez que não há nenhum tipo de proibição estabelecida, nesse sentido, nas “Normas Para o Entorno do Gramado”, instituídas pela própria CBF.

A ACDA já acionou seu Departamento Jurídico no sentido de que expedientes sejam encaminhados para a Federação Alagoana de Futebol (FAF), Confederação Brasileira de Futebol (CBF) exigindo que atitudes de tal natureza não voltem a se repetir em nenhuma praça esportiva do Estado de Alagoas, uma vez que “não existe nenhum tipo de protocolo da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) nesse sentido, disposto nos Documentos Técnicos ou Regulamento Específico referente à proibição esdrúxula” sugerida pelo supervisor da CBF que, diga-se de passagem, não tem seu nome nem na súmula on-line da citada partida.

É mais do que evidente que não há possibilidade de se trabalhar em partidas chuvosas sem o auxílio do guarda-chuva, visto que os repórteres, muitas vezes, usam microfones com fios e correm o risco de levar um choque ou até mesmo estragar o equipamento. Portanto, bom senso e prudência no trato com os profissionais que promovem o futebol e transformam as partidas futebolísticas em verdadeiros espetáculos.

De se destacar, ainda, que o suposto supervisor da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), presente à Partida, foi grosseiro, truculento, coagindo os profissionais do rádio alagoano e de outros estados, presentes, no Estádio Rei Pelé, ameaçando de mandar prendê-los, se continuassem a usar guarda-chuvas, durante o evento, tendo, inclusive, chamando policiais, para cumprirem o seu infundado comando, o que não veio a se concretizar, em razão de os Cronistas Desportivos terem resistido a esse comportamento antidesportivo e sem nenhuma motivação legal, o que não se justifica, sob qualquer alegação, que uma pessoa que se diga representante da Entidade maior do Futebol, no País, comporte-se como uma pessoa desqualificada, sem estabilidade emocional.

Nossos Cronistas, acima da truculência institucionalizada.

primeira página | voltar | cometários | imprima esta notícia

Deixe seu comentário.

Aguardando o seu comentário...

19/09/2019

GALERIA

LINKS

OFERECIMENTO






ACDA - Associação dos Cronistas Desportivos de Alagoas
2019 © Todos os direitos reservados